"A Fé é um salto do escuro para os braços de Deus. Quem não salta, não vê a Deus, não é abraçado, fica apenas no escuro." (Desconhecido)

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Entrevista de Dom Alano Maria Pena

video

Padre Leandro entrevista o Arcebispo de Niterói, Dom Alano Maria Pena. Sobre os 100 anos de existência do Seminário São José em Niterói. Confira assistindo o Vídeo.

Padres da Igreja

Os tempos de ouro da Patrística foram os séculos IV e V, embora possa se entender que se estenda até o século VII a chamada "idade dos Padres". Os principais Pais do Oriente foram: Eusébio de Cesareia, Santo Atanásio, Basílio de Cesareia, Gregório de Nisa, Gregório Nazianzo, São João Crisóstomo e São Cirilo de Alexandria.Os principais Padres do Ocidente são: Santo Agostinho, autor das "Confissões", obra prima da literatura universal e Santo Ambrósio, Eusébio Jerônimo, dálmata, conhecido como São Jerônimo que traduziu a Bíblia diretamente do hebraico, aramaico e grego para o latim. Esta versão é a célebre Vulgata, cuja autenticidade foi declarada pelo Concílio de Trento. Outros pais que se destacaram foram São Leão Magno e Gregório Magno, este um romano com vistas para a Idade Média, as suas obras "os Morais e os Diálogos" serão lidas pelos intelectuais da Idade Média, e o "canto gregoriano" permanece vivo até os dias de hoje. Santo Isidoro de Sevilha, falecido em 636, é considerado o último dos grandes padres ocidentais.
Ícone de Maria, a Theotokos, pelo diácono Ioasaf Athonites
Por esta época surgiu o
monaquismo. Em busca de uma imitação de Cristo mais perfeita, com o tempo o ascetismo cristão tomou formas de afastamento do mundo. Santo Antão é figura-símbolo do monaquismo dos primeiros séculos, mas a sua figura central é São Bento que com os seus dois primeiros mosteiros e a sua famosa "Regra" serviu de referência típica para o monaquismo, principalmente no Ocidente. Na idade média os mosteiros prestaram relevantes serviços e, dentre outros, tiveram a grande missão de conservar a cultura antiga.À medida que o Império romano decaía, a Igreja assumiu muitas de suas funções e ajudou a manter a ordem no meio do caos que se generalizava. O fato de nem tudo se haver perdido se deve em grande parte à influência ordenadora da organização eclesial. Por ela foram estimulados os ideais de justiça social, preservada e transmitida a cultura antiga e civilizadas as populações bárbaras.

Perseguição e crescimento


O Cristianismo nasceu e desenvolveu-se dentro do quadro político-cultural do Império Romano. Durante três séculos o Império Romano perseguiu os cristãos, porque a sua religião era vista como uma ofensa ao estado, pois representava outro universalismo e proibia os fiéis de prestarem culto religioso ao soberano imperial. Durante a perseguição, e apesar dela, o cristianismo propagou-se pelo império. As principais e maiores perseguições foram as de Nero, no século I, a de Décio no ano 250, a de Valeriano (253-260) e a maior, mais violenta e última a de Diocleciano entre 303 e 304, que tinha por objetivo declarado acabar com o cristianismo e a Igreja. O balanço final desta última perseguição constituiu-se num rotundo fracasso. Diocleciano, após ter renunciado, ainda viveu o bastante para ver os cristãos viverem em liberdade graças ao Édito de Milão, iniciando-se a Paz na Igreja.
No decurso do século IV, o Cristianismo começou a ser tolerado pelo Império, para alcançar depois um estatuto de liberdade e converter-se finalmente, no tempo de Teodósio, em religião oficial do Estado. O imperador romano, por esta época, convocou as grandes assembléias dos bispos, os concílios, e a Igreja pôde então dar início à organização de suas estruturas territoriais.
A igreja cristã na região do Mediterrâneo foi organizada sob cinco patriarcas, os bispos de Jerusalém, Antioquia, Alexandria, Constantinopla e Roma. As antigas comunidades cristãs foram, então sucedidas pela "sociedade cristã", o cristianismo passou de religião das minorias para então se tornar em religião das multidões. Com a decadência do Império os bispos pouco a pouco foram assumindo funções civis de caráter supletivo e a escolha do bispo passou a ser mais por escolha do clero do que pela pequena comunidade, segundo as fórmulas antigas. Por essa época não foram poucas as intervenções dos nobres e imperadores nas suas escolhas. Figuras expressivas da vida civil foram alçadas à condição de bispo, exemplo disto foram Santo Ambrósio, governador da Alta Itália que passou a bispo de Milão; São Paulino de Nola, ex-cônsul e Sidônio Apolinário, genro do imperador Avito e senhor do Sul das Gálias, que foi eleito bispo de Clermont-Ferrand.
Martírio de São Pedro, por Caravaggio Antes de findar o século IV o Concílio de Niceia (325) e o Primeiro Concílio de Constantinopla, em respostas às heresias arianas e ao macedonismo, formularam a doutrina da Trindade que ficou fixada no seu conjunto no "Símbolo niceno-constantinopolitano". Por esta época colocou-se a questão da humanidade e divindade de Cristo que ficou definida no Concílio de Éfeso, convocado pelo imperador Teodósio II, que afirmou que Cristo é "perfeito Deus e perfeito homem" e definiu Maria como "Aquela que portou Deus" (Theotokos) em resposta à heresia Nestoriana (do bispo Nestório) que lhe atribuia apenas o Christotokos (Aquela que portou Cristo). Esta posição depois foi reafirmada no Concílio de Calcedônia (451) e no Terceiro Concílio de Constantinopla (680).

Origem da Igreja


A Igreja Católica foi fundada por Jesus Cristo e a Igreja está alicerçada sobre o Apóstolo Pedro, a quem Cristo prometeu o Primado: "Sobre esta pedra edificarei a minha Igreja" (a pedra é Jesus mesmo, "sobre está pedra edificarei a minha Igreja", a "pedra" foi a resposta de Pedro no versículo anterior, ou seja, Jesus) e "Dar-te-ei as chaves do Reino dos Céus" (cf. Mt 16, 17-20) e depois da ressurreição o confirmou: "Apascenta os meus cordeiros" (cf. Jo. 21, 15-17) e que teria apontado Pedro, depois Bispo de Roma, e seus sucessores, como fundamento e cabeça visível de toda a Igreja. A grande maioria dos historiadores considera que de fato neste momento foi fundada a Igreja Católica. A Igreja Católica consumou-se no dia de Pentecostes. Perseguidos pelo Sinédrio, rapidamente os cristãos se desvincularam da sinagoga. A Igreja Primitiva se nomearia Católica (que significa "universal"), ainda no século I d.C., o termo foi utilizado para designar a recente Igreja de Jesus Cristo pelo Bispo de Antioquia Inácio, discípulo do apóstolo João, que provavelmente foi ordenado pelo próprio Pedro, alguns historiadores sugerem que os próprios apóstolos poderiam ter utilizado o termo para descrever a Igreja. O termo Católica invoca o princípio de que desde o começo a Igreja foi universal, aberta aos gentios e estes foram declarados desobrigados de obedecer a antiga Lei de Moisés, conforme ficou definido no ano 49 da era cristã no Concílio de Jerusalém, o primeiro concílio.

Tabela Cronológica do Cristianismo


c.6 a.C. - Data provável do nascimento de Jesus Cristo. Veja também uma data alterantiva calculada com base na Profecia das 70 semanas.
c.33 d.C - Data provável da crucificação de Jesus.
70 - Destruição do Segundo Templo de Jerusalém.
135 - Revolta do Messias Bar Cosiba que termina com a derrota dos judeus, que em decorrência deste facto são expulsos de Jerusalém.
312 - Vitória de Constantino sobre Maxêncio na Batalha da Ponte Mílvio. Torna-se o imperador Constantino I. O novo imperador de Roma é o primeiro a ser tolerante para com os cristãos.
325 - Inicia-se o Primeiro Concílio de Niceia.
380 - Teodósio I declara o cristianismo a religião oficial do Império Romano.
380 - Jerónimo traduz a Bíblia para o Latim.
476 - Queda do Império Romano do Ocidente com a deposição do último imperador romano pelo germânico Odoacro.
1054 - Primeiro grande cisma do Cristianismo, com a separação entre a Igreja Ortodoxa e a Igreja Católica. 1517 - Martinho Lutero afixa as suas 95 teses na porta da Igreja de Wittenberg. Este é veio a ser considerado o marco de início da Reforma Protestante na Europa.

História da Igreja Católica

A história da Igreja Católica cobre um período de aproximadamente dois mil anos, e relata os eventos de uma das mais antigas instituições religiosas em atividade, influindo no mundo em aspectos espirituais, religiosos, morais, políticos e sócio-culturais. A história da Igreja Católica é integrante à História do Cristianismo e a história da civilização ocidental.
A Igreja Católica acredita que ela "está na História, mas ao mesmo tempo transcende. É unicamente "com os olhos da " que se pode enxergar em sua realidade visível, ao mesmo tempo,uma realidade espiritual, portadora de vida divina".